Tuesday, March 31, 2015

FERRAMENTAS PARA O RECRUTAMENTO DE ADULTOS (Parte I)


(adaptado do "Generational diversity in the BSA workplace", dos Boy Scouts of América)

Recrutamento: o que é e para que serve?
«Recrutar é o acto de IDENTIFICAR grupos e indivíduos para um serviço e de facto CONVIDÁ-LOS a voluntariarem-se»
Susan Ellis, The Volunteer Recruitment Book

Porque recrutamos:
Para melhor distribuirmos o trabalho voluntário, sem demasiada sobrecarga;
Para nos mantermos “vivos” e com novas ideias;
Para garantir o trabalho que é necessário fazer
Para poder crescer
Porque estamos a perder voluntários

As Etapas do Recrutamento:
O processo de recrutamento é dividido em 3 etapas, a saber:
1. Levantamento das Necessidades.
2. Recrutamento.
3. Integração.

Independentemente da técnica de recrutamento, devemos:
Garantir que temos trabalho para os voluntários que estamos a recrutar
Conceber uma mensagem para que se apele ao perfil “certo” que se deseja
Incluir os benefícios para o voluntário
Ser claro relativamente às expectativas e tempo de compromisso
Descrever o Movimento e a sua missão
Referir o suporte e a formação que serão disponibilizados

Diversidade Geracional

Trabalhar com as diferentes gerações
Nunca como antes, devido ao aumento da esperança média de vida e à forma como o envelhecimento activo é encarado, as nossas associações contaram com esta “mistura” de gerações.
Tal diversidade pode dar-nos maior riqueza e produtividade, mas para tal é necessário compreender claramente as características de cada uma e a forma como cada geração é “única”.
Neste sentido, e apesar de a pertença a uma determinada geração ter um impacto significativosobre a forma como cada um de nós vê o mundo, cada indivíduo teve um conjunto muito próprio de experiência, valores e crenças que pode introduzir algumas alterações a estes conceitos generalizados.
Assim, e como sempre no nosso Movimento, é im-portante conhecer e respeitar a individualidade de cada um dos nossos elementos, nas mais variadas circunstâncias.

Por que é importante conhecer e reconhecer a diversidade geracional nas nossas Associações [Fraternal, AAG e FNA]?
Conhecer e reconhecer a diversidade geracional pode ser um diferenciador estratégico, na medida em que nos permite adequar a nossa comunicação a cada uma das gerações e melhorar a eficácia das nossas interacções.
Conhecer as características dos outros grupos geracionais também aumenta o respeito e o apreço de todos pelas diferenças e pelo que os outros têm para oferecer às nossas associações.
Conhecer a diversidade geracional ajuda-nos a compreender:
1) que houve diversos fenómenos que deram origem ao sistema de valores, aspirações, atitudes e expec-tativas das diferentes gerações
2) que as diferentes gerações têm diferentes modos de ver o mundo, diferentes objectivos de desenvolvi-mento pessoal, diferentes formas de se expressar e envolver
3) que é necessário ter uma abordagem diferenciada para motivar as diferentes gerações.

As quatro principais gerações
Existem quatro gerações distintas nas nossas Asso-ciações. Apesar de os peritos discordarem em ter-mos das datas específicas e nos nomes atribuídos a cada grupo, as quatro gerações são habitualmente definidas como Veteranos, Geração do Pós-Guerra, Geração X e Geração do Milénio.

Os veteranos (ou tradicionalistas): nascidos antes de 1945.

Esta geração inclui as pessoas nascidas antes de 1945, sendo por vezes denominada também de Maduros ou Geração Silenciosa. Os eventos que marcaram a sua formação incluem a Grande Depressão e a Segunda Guerra Mundial. Muitos dos seus valores e comportamentos baseiam-se no impacto que estes eventos tiveram nas suas vidas e experiências. Alguns exemplos de pessoas desta geração são Bill Cosby, Ronald Reagan, Rui Nabeiro, Ruy de Carvalho.
Esta geração representa apenas cerca de 5% da população activa, mas são os mais ricos.
Muitos dos homens desta geração entraram no mercado de trabalho depois de terem servido no exérci-to e/ou como aprendizes e em funções menores, subindo depois a pulso, e esperavam manter-se na mesma empresa durante toda a sua vida activa.
Para os Veteranos, o patriotismo e a fidelidade à empresa em que trabalhavam era algo inerente. O mercado de trabalho era dominado por homens e a maior parte das mulheres eram donas de casa e tratavam dos filhos. Estes padrões vieram a sofrer enormes alterações.

A geração do pós-guerra: nascidos entre 1945 e 1964.
Os eventos que marcaram a formação desta geração incluem o Movimento pelos Direitos Civis, a Guerra do Vietname, a Guerra Colonial, o assassinato de John F. Kennedy, Robert Kennedy e Martin Luther King e a Guerra Fria. Nesta geração temos pessoas tão notáveis como Robin Williams, Bill Gates, Oprah Winfrey, Paulo de Carvalho.
Esta é a geração que controla habitualmente o mer-cado de trabalho. Estão à frente dos nossos gover-nos nacionais e autarquias, são os patrões, directores e presidentes das maiores empresas e são o grupo dominante em termos de população activa.
O termo “viciado em trabalho” foi criado para descrever esta geração. Entraram para o mercado de trabalho quando a fidelidade à empresa ainda era o mais importante, mas viram este valor ser alterado através de despedimentos colectivos, fusões e aquisições e muitos começam a questionar-se se valeu a pena tanto empenho no trabalho, à medida que se aproximam da idade da reforma.

Geração X: nascidos entre 1965 e 1980
Os eventos que marcaram a formação dos membros da Geração X incluem o escândalo de Watergate, o desastre da nave Challenger, a Guerra do Golfo, o advento dos computadores e o crescimento exponencial da taxa de divórcio dos seus pais. Quando pensamos nesta geração vêm-nos à mente exemplos como Tiger Woods, Jennifer Aniston, Fernanda Serrano, Rui Unas.

À medida que foram crescendo, os membros desta geração foram sendo descritos como “preguiçosos”, desmotivados, sem aspirações e irreverentes. Também foram a primeira geração a ouvir que jamais seriam tão bem sucedidos como os seus pais.
Por outro lado, foram também os que ficaram mais desiludidos quando descobriram que todas as insti-tuições que lhes diziam “Podes confiar em nós” – o governo, a Igreja, as forças armadas, o casamento, as grandes empresas – os deixavam ficar mal. Devido a isto a sua atitude geral é a de “Ver para Crer”.
Os membros mais velhos desta geração começam a assumir papéis de liderança e de direcção em muitas organizações e a sua facilidade com as novas tecnologias muito tem contribuído para acelerar o processo.

A Geração do Milénio: Nascidos entre 1981 e 2000

Os eventos que marcaram a formação desta geração incluem os ataques bombistas na cidade de Oklaho-ma e o ataque terrorista de 11 de Setembro, o advento da Internet e das redes sociais e a Guerra no Iraque. Alguns famosos desta geração são: Justin Timberlake, Rita Pereira, Cristiano Ronaldo.
Os membros da Geração do Milénio cresceram num mundo inundado de tecnologia: telemóveis, computadores portáteis, internet sem fios, iPods, engenharia genética, inteligência artificial. Viveram a maior parte da sua vida à sombra de uma economia prospera e sempre foram protegidos e apaparicados pelos seus pais da Geração X, apesar de já terem estado expostos às ameaças do terrorismo e da violência.
Esta geração está a entrar num mercado de trabalho difícil e cheio de concorrência, onde apenas os melhores prosperam. São uma geração com altos conhecimentos tecnológicos, ambiciosos, e autoconfiantes, com uma visão diferente do sucesso.

(Continua)

No comments: