Thursday, December 8, 2011

PLANO DE ACÇÃO DA ISGF/AISG - 2011 / 2014


Necessidades
Desenvolvimento
- Atrair jovens adultos

Visibilidade
- 60.º Aniversário da ISGF/AISG em 2013

Acções
Desenvolvimento
- Lançar uma campanha nacional;
- Incentivar o Escotismo nas famílias;
- Ter membros activos mais jovens no Comité Mundial.

Tarefas para as Associações Locais (Fraternal, AAG, FNA)
Desenvolvimento
- Cooperação a nível nacional e local entre as Associações de Escoteiros e Guias e a ISGF (Fraternal;
- Incentivar actividades sociais;
- Convidar pais dos Escoteiros e Guias a participar nas suas actividades;
Comunicação
- Melhorar a utilização dos meios de comunicação para chegar ao maior número de membros através das redes sociais e meios electrónicos.
Visibilidade
- Celebrar o 60.º aniversário ao nível local.
Trabalho em rede
- Programa activo e flexível que permita aos membros da ISGF servir o movimento Escotista juvenil e em outras fases da vida;
- Apoiar as Associações Locais (orientando em questões específicas).

Tarefas para as Associações Nacionais (AEG)
Desenvolvimento
- Incentivar os contactos entre os jovens e os Adultos para apoiar a acção;
- Incentivar actividades sociais;
- Criar uma base de dados de aptidões/competências dos membros;
- Criar equipas de tutoria/ formação informal;
- Preparar um Plano Nacional de Marketing.
Comunicação
- Melhorar a utilização dos meios de comunicação para chegar ao maior número de membros através das redes sociais e meios electrónicos.
Visibilidade
- Realizar acções úteis para a comunidade;
- Identificar os eventos que possam ser realizados para celebrar o 60.º aniversário a nível nacional.
Trabalho em rede
- Abrir os seus eventos e encontros à participação internacional e regional;
- Encorajar as Associações Nacionais para trabalhar em conjunto e partilhar conhecimentos.

Tarefas para o Comité Mundial
Desenvolvimento
- Pensar como ajudar as Associações Nacionais nos seus recursos através do conhecimento das suas actividades e programas;
- Criar uma base de dados de competências/equipamentos dos membros;
- Criar equipas de tutoria/aconselhamento;
- Fornecer ferramentas e materiais de aprendizagem.
Comunicação
- Melhorar a utilização dos meios de comunicação para chegar ao maior número de membros através das redes sociais e meios electrónicos;
- Criar uma plataforma onde os membros possam debater questões ligadas à ISGF e ao meio ambiente.
Visibilidade
- Estabelecer uma cooperação ou parceria com uma organização internacional;
- Dar apoio às Associações Nacionais na celebração do 60.º aniversário.
Trabalho em rede
- Estabelecer um calendário de eventos / actividades.

Thursday, November 24, 2011

Palavras do Presidente da 26.ª Conferência Mundial


Do pequeno caderno "Stade Aperte" distribuido aos participantes na 26.ª Conferência Mundial da ISGF/AISG, reproduzimos aqui, a "Introdução" da autoria do companheiro Riccardo della Rocca, Presidente do MASCI e que presidiu também à 26.ª Conferência.

Durante todos estes anos, nós temos adquirido a convicção que o Escotismo e o Guidismo para adultos representam uma proposta muito significativa tanto para as mulheres como para os homens do nosso tempo. Tal como no princípio do séc. XX, o general Baden-Powell, observando a realidade dos jovens dos arrabaldes britânicos e as contradições do seu mundo, teve a ideia de propor o Escotismo como um “caminho para a felicidade” às jovens gerações, a princípio para as do Império britânico, e depois, para as do mundo, assim, hoje, no princípio do séc. XXI, na época da globalização, quando “o mundo se tornou mais pequeno e os homens mais ausentes”, nós sentimos ainda a exigência de oferecer o “Escotismo e o Guidismo adulto” aos homens e às mulheres dos quatro cantos do mundo como um “caminho para a felicidade”, convencidos que nós podemos continuar a descobrir coisas novas ao longo da nossa vida, e que nós podemos crescer como “cidadãos do mundo”, como pessoas que amam a paz, a solidariedade e a fraternidade entre todos os povos.

O segredo deste “caminho para a felicidade” está, ainda na Promessa e na Lei (da Guia e do Escoteiro), que representam ainda, em todos os seus artigos, a bússola para esse percurso.

Um “caminho para a felicidade” que é feito ao longo de toda a vida e é possível quando se trabalha em equipa, se está pronto para ajudar o próximo e a Criação.

Um “caminho para a felicidade” que é proposto a todos os homens e a todas as mulheres dos nossos dias, mesmo para aqueles e aquelas, que nunca tiveram a experiência do Escotismo e do Guidismo na sua juventude. Nós temos de o oferecer às nossas comunidades civis e religiosas, qualquer que seja a sua cultura ou sua crença religiosa.

Um “caminho para a felicidade” que é o melhor suporte que nós podemos oferecer ao Escotismo e ao Guidismo, como testemunho de uma experiência do Escotismo adulto e como uma perspectiva de vida para as futuras gerações.

Um “caminho para a felicidade” que se realiza adaptando as ideias pedagógicas de B.-P. (o jogo, a aventura, a vida ao ar livre, a vida da patrulha e sobretudo o serviço aos outros) às fases adultas da vida.

Seria bom, que nós pudéssemos reflectir em conjunto sobre este tema do “Escotismo e Guidismo para adultos”. É um tema que pode representar o verdadeiro desafio da nossa associação [ISGA/AISG] e uma forma para tornar a “Última Mensagem de B.-P.” realmente relevante.

Quisemos inserir [no caderno] a “Última Mensagem” porque, fazendo-o muitas vezes, nós estamos convictos que ela não é somente uma mensagem para as Guias e os Escoteiros jovens, mas é sobretudo uma mensagem para os adultos.

“Deixar o mundo melhor do que o encontrámos” não é simplesmente uma “Boa Acção”; significa também mudar, melhorar o mundo que nos foi confiado, contribuir para nos tornarmos mais justos e mais fraternos, contribuir para construir um mundo de paz, de solidariedade e de igualdade entre todos os povos.

Esta é uma tarefa para os adultos.

A “Última Mensagem de Baden-Powell”

Queridos Escoteiros
Se alguma vez viram a peça “Peter Pan”, recordar-se-ão como o chefe dos piratas estava sempre a fazer o seu discurso de despedida, por ter medo de morrer antes de poder fazê-lo. Passa-se a mesma coisa comigo, por isso, embora não esteja a morrer neste momento, isso irá acontecer um destes dias e quero deixar-vos umas palavras de despedida.
Lembrem-se, estas são as últimas palavras que ouvirão de mim, por isso reflictam bem sobre elas.
Tive uma vida muito feliz e quero que cada um de vocês tenha uma vida igualmente feliz.
Acredito que Deus nos pôs neste animado mundo para sermos felizes e para desfrutarmos da vida. A felicidade não advém da riqueza, nem somente do sucesso na carreira, nem sequer da satisfação de todos os caprichos. Um passo em direcção à felicidade é tornarem-se saudáveis e fortes enquanto são rapazes, para que possam ser úteis e consigam assim desfrutar a vida quando forem homens.
O estudo da natureza vai mostra-vos a enorme quantidade de coisas bonitas e maravilhosas que existem neste mundo que Deus fez para nós desfrutarmos. Contentem-se com o que têm e tirem daí o melhor partido. Vejam o lado positivo das coisas em vez do lado negativo.
Mas a melhor maneira de conseguirem ser felizes é darem felicidade às outras pessoas. Tentem deixar este mundo um bocado melhor de que o encontraram e assim, quando chegar a vossa vez de morrer, podem morrer felizes ao sentirem que efectivamente não desperdiçaram o vosso tempo e deram o vosso melhor.
Assim, estai “Sempre Prontos” para viverem felizes e para morrerem felizes – mantenham-se sempre fiéis ao vosso Compromisso de Honra – mesmo depois de deixarem de ser rapazes – e Deus vos ajude a consegui-lo.

O Vosso Amigo
Robert Baden-Powell.

Tuesday, November 1, 2011

WOSM E ISGF ASSINAM DECLARAÇÃO CONJUNTA




Declaração Conjunta acordada em 14 de Junho de 2011 entre a WOSM e a ISGF

1. Missão e natureza das duas organizações

A WOSM (Organização Mundial do Movimento Escotista) e a ISGF (Amizade Internacional de Escoteiros e Guias) são duas organizações independentes, ambas baseadas nos fins do Escotismo mas com elementos diferenciadores próprios.

As suas missões são, respectivamente, as seguintes:

A Organização Mundial do Movimento Escotista é uma organização independente, não política e não governamental, cujo objectivo é promover o Movimento Escotista em todo o mundo através da promoção da unidade e do conhecimento dos seus objectivos e princípios, facilitando a sua expansão e desenvolvimento, bem como a manutenção do seu carácter específico. O Movimento Escotista é um movimento voluntário, não político, educativo para jovens, cujo objectivo é contribuir para o desenvolvimento integral dos jovens nas vertentes física, intelectual, emocional, social e espiritual enquanto indivíduos, cidadãos responsáveis e membros das sua comunidades locais, nacionais e internacionais, em conformidade com os objectivos, princípios e método concebidos pelo Fundador. Os adultos são uma componente intrínseca da WOSM, na medida em que dão um apoio directo ou indirecto aos jovens das Associações Escotistas Nacionais de acordo com o método Escotista e através deste.

A Amizade Internacional de Escoteiros e Guias é uma organização mundial para adultos que presta apoio à WOSM e à WAGGGS (Associação Mundial de Guias e Escoteiras), baseada nos ideais e princípios Escotista / Guidista expressos na Promessa e na Lei, estando aberta a todos os antigos membros das organizações juvenis pertencentes à WOSM e à WAGGGS, bem como a adultos que não tiveram a oportunidade de ser Escoteiros/Guias/Dirigentes na sua juventude. Os seus objectivos são ajudar os seus membros a manter vivos os valores adquiridos no Movimento Escotista juvenil, com vista a dar um apoio activo à WOSM e à WAGGGS, prestar serviço às suas comunidades e potenciar o desenvolvimento pessoal contínuo dos seus membros. Os adultos a desempenhar funções nas organizações Escotistas ou Guidistas juvenis podem pertencer simultaneamente à ISGF, enquanto associação de cariz voluntário e complementar, entendendo que a natureza da sua pertença à ISGF tem um carácter completamente diferente da sua acção enquanto Dirigente activo.


2. Ideais partilhados

As duas organizações concordam que os seus ideias partilhados constituem a melhor base para a sua colaboração.


3. Adultos no Movimento Escotista Mundial

A ISGF reconhece que uma das prioridades essenciais da WOSM se prende com os “Recursos Adultos no Movimento Escotista”, enquanto programa sistemático de gestão dos recursos adultos, com vista a melhorar a eficácia, compromisso e motivação dos Dirigentes. A ISGF considera que o papel dos seus membros é distinto do papel dos adultos no seio da WOSM.


4. Convenções com organizações internacionais

Antes de encetar relações com terceiros, especialmente com organizações internacionais, sejam elas intergovernamentais ou não governamentais, a ISGF deverá consultar a WOSM e não prosseguirá sem consentimento desta.


5. Apresentação e política de relações públicas

Na sua apresentação e política de relações públicas, a ISGF envidará esforços para evitar a adopção de terminologias, o desenvolvimento de planos de acção ou a realização de actividades que possam ser contrárias, competir ou criar confusão de papéis, responsabilidades e competências com a terminologia, planos de acção ou actividades dos órgãos próprios da WOSM.


6. Relacionamento com organizações não reconhecidas

A ISGF, em conformidade com o objectivo de prestar apoio activo à WOSM, envidará esforços, tanto ao nível nacional como internacional, por restringir a sua colaboração às Associações Escotistas devidamente reconhecidas pela WOSM e evitar relações oficiais com organizações “Escotistas” não reconhecidas por ela.


7. Relacionamento com organizações nacionais membro

A WOSM e a ISGF comprometem-se a tratar as questões que possam surgir ao nível nacional em conformidade com os princípios enunciados na presente declaração.


8. Estruturas de coordenação e cooperação

A WOSM e a ISGF consideram que algumas das disposições contidas na Constituição da ISGF são importantes para assegurar uma boa cooperação entre as duas organizações, especialmente no que se refere aos pontos 3, 4, 5 e 6 supra. Faz-se referência, em particular, à existência de um membro no Comité Mundial da ISGF com direito a voto designado pelo Comité Mundial da WOSM e à necessidade de as Organizações Nacionais membro da ISGF serem reconhecidas pelas respectivas associações juvenis nacionais pertencentes à WOSM, não apenas no momento da sua fundação, mas enquanto reconhecimento permanente. Igualmente importante é a decisão do Comité Mundial da WOSM de nomear um dos seus membros como ponto de contacto com a ISGF.


9. Convites mútuos

A WOSM e a ISGF continuarão a convidar-se mutuamente para as suas Conferências Mundiais e Regionais, estabelecendo assim mais um canal para melhorar a compreensão mútua e colaboração entre elas.


10. Apoio da ISGF à WOSM e às suas organizações nacionais

A WOSM reconhece o apoio prestado pela ISGF tanto ao nível mundial, através do seu Fundo Internacional para o Desenvolvimento, como no âmbito nacional, através de diversas iniciativas levadas a cabo pelas associações nacionais pertencentes à ISGF em colaboração com as respectivas Associações Escotistas nacionais.


Assinado e datado:
Simon Hang-Bock Rhee
Presidente do Comité Mundial da WOSM

Brett D. Grant
Presidente do Comité Mundial da ISGF

Sunday, October 16, 2011

MENSAGEM DO DIA DA AMIZADE (dia 25 de Outubro)


Caros Amigos

A Conferência Mundial é um acontecimento onde a “Amizade” é vivida pelos delegados da maior parte das O.M., a cidade de Como foi o local perfeito para partilhar experiências e fazer novos amigos.

Agora, que regressámos todos a casa, neste dia da Amizade podemos propagar a mensagem que Baden-Powell nos transmitiu – A Guia/Escoteiro é amigo de todos e Irmã/Irmão de todos os outros Escoteiros/Guias.

Saiamos dos nossos locais de reunião e como adultos contactemos com os nossos vizinhos, os nossos colegas de trabalho, um desconhecido que ficaria encantado de falar connosco. É mais fácil pedir ás pessoas de se tornarem nossos amigos através da net, mas é difícil de o fazer directamente.
É necessário agir, portanto sejam diferentes e improvisem uma pequena actividade, convidem uma pessoa para ir convosco dar um passeio ou tomar um café ,batam á porta de um lar ou hospital e sorriam a um dos doentes. Partilhem a felicidade.

O desenvolvimento pessoal é necessário. Algumas pessoas pensam que ser adulto quer dizer que já aprenderam tudo. Sorriam, partilhem e aprendereis e recebereis muito mais.

Algumas Guildes poderiam até, neste Dia da Amizade, organizar uma actividade para recolher fundos e assim ajudar O.M., que não podem pagar as suas quotas.

Isto será o início de um plano para partilhar a felicidade ser membro da AISG.

Saudações amigas


Midá Rodrigues
Presidente do
Comité Mundial da AISG/ISGF


Os participantes de Portugal na 26.ª Conferência Mundial da AISG/ISGF, em Como, Itália

ENCONTROS NACIONAIS E INTERNACIONAIS DA AISG/ISGF


Os encontros nacionais, sub-regionais e regionais da AISG/ISGF, são uma excelente oportunidade para viver o espírito escotista.
São igualmente uma excelente oportunidade para fazer novos amigos e conhecer outras regiões.


Não possuem a carga de trabalhos a que as conferências estão sujeitas e são abertos a todos os membros individuais que pertençam à Fellowship, não sendo por isso limitada a inscrição a quem não pertença á área geográfica da sua realização. Contudo, as inscrições são limitadas por vezes, por razões de logística, a um número máximo de participantes.

Para 2012 encontram-se já marcados:

27.º Encontro da Sub-Região Norte / Báltico
Data - 13 a 17 de Junho - Inscrição 450€
Local - Birstonas, Lituânia

Encontro Anual de Cork City - Irlanda
Data - 25 a 29 de Setembro
Local - Cork City

6.º Encontro de Escoteiros e Guias Adultos da Tunísia
Data - 5 a 12 de Outubro
Local - O Encontro começa em Sousse, onde se passarão os dois primeiros dias. Continua em El Djem, Sfax, Gabés e Djerba onde se passarão mais duas noites. Segue para Tataouine e Ksar Ouled Soltane local onde se ficará mais 3 noites. Terminará no dia 12 novamente Sousse.

14.º Encontro do Mediterrâneo
Data - 31 de Outubro a 5 de Novembro
Local - Cádiz
Visitas a Córdoba e Granada

Esteja atento ao site da AISG / ISGF em www.isgf.org

Saturday, October 15, 2011

26.ª CONFERÊNCIA MUNDIAL DA AISG / ISGF

A 26.ª Conferência Mundial da AISG/ISGF teve lugar na região da Lombardia, Itália, na cidade de Como, entre os dias 26 de Setembro e 2 de Outubro.

Cerca de 500 participantes de 43 países tomaram parte nela.


Na Conferência Mundial têm assento como delegados 4 representantes de cada país – O Comité de Amizade de Antigos Escoteiros e Guias – agregando as 3 associações portuguesas de escoteiros e Guias Adultos é a entidade que representa Portugal.
A delegação nacional foi presidida pela Companheira Ana Rodrigues da Associação das Antigas Guias [AAG] e foi composta por Midá Rodrigues também da AAG, António Fontinha da Fraternidade Nuno Álvares [FNA] e Rui Macedo da Fraternal dos Antigos Escoteiros de Portugal [FAEP].
Como observadores estiveram ainda 14 elementos da AAG e 3 da FAEP.


A Conferência foi organizada pelo Movimento Adulto dos Escoteiros Católicos Italianos [MASCI], (a Fraternal Escoteira e Guia de Itália) e decorreu na Villa Olmo, um antigo palacete situado na margem Norte do Lago Como, frente à cidade, construído entre 1782 e 1812, sob a diração do arquitecto Cantoni, onde abundam pinturam e esculturas mitológicas, evocando as leis que regem o Universo e realizadas por Dominico Pozzi.

Fora das sessões oficiais, os participantes puderam trabalhar em grupos de trabalho a fim de elaborar o novo plano de acção para 2011-1014 e também conviver durante os intervalos e as excelentes excursões realizadas no 5.º dia.

A Conferência foi presidida pelo Companheiro Riccardo della Rocca de Itália, tendo sido vice-presidente a Companheira Carol Bowen do Reino Unido.

O tema da Conferência, “Os bens comuns: a água a terra e o ar”, foi apresentado pelo Professor Simone Morandini.

A Conferência acolheu dois novos países, como membros associados: O Burkina Faso e a Zambia.

Nela foi aprovado o Relatório Trienal, as contas e o Orçamento para o próximo triénio.
Do Relatório consta um anexo (IV) subcripto pelos Presidentes do Comité Mundial da Fellowship e da Organização Mundial do Movimento Escotista, referente a uma Declaração conjunta das duas associações. No ponto n.º 1 relativo à Missão e natureza das duas organizações refere-se que: “É compativel que os adultos que actualmente teem um papel na sua própria organização juvenil de escoteiros e escoteiras em apoio aos jovens, escolham também pertencer à AISG/ISGF como um serviço voluntári adicional, suposto que entendam que a sua pemanencia na AISG/ISGF é de uma natureza diferente dos Dirigentes escoteiros ou instrutores”. .
Foram também aprovadas algumas alterações à Constituição Mundial, entre elas o n.º. 2 do artigo 1 que agora indica:
2. Admissão de adultos
Podem ser membros da AISG/ISGF por filiação a uma Associação Nacional ou ao Ramo Central, os adultos membros actuais ou antigos das Organizações membro da Associação Mundial de Guias e Escoteiras e da Organização Mundial do Movimento Escotista, assim como os adultos que não tendo tido tal filiação no passado, estejam dispostos a subscrever os valores do Escotismo e do Guidismo”.
Importa referir que esta sempre foi a prática da FAEP, desde a sua fundação em 1951.


De entre 10 candidatos, quatro foram eleitos para o Comité Mundial da Fellowship para um mandato de 6 anos. Virginia Bonasegale da Itália, Nana Gentimi da Grécia, Verna Lopez do Curação e Maria da Piedade (Midá) Rodrigues de Portugal. Prosseguem o seu mandato no Comité Mundial por mais 3 anos, Arald Kesselheim da Alemanha, Paul Locussou do Bénin, Abdelaziz Bensaid de marrocos e Muftah Ajaj da Líbia.
A nova Presidente do Comité Mundial é a nossa Companheira Midá Rodrigues que será secundada por dois vice-presidentes, Abdelaziz Bensaid e Nana Gentimi.
Os membros que deixam o Comité Mundial são Linda Bates do Canadá, Ales Cerin da Eslovénia, Anne Dupont da Belgica, Brett D. Grant da Austrália, Rigmor Lauridsen da Dinamarca e Mario Sica de Itália.

A Austrália foi escolhida para realizar a 27.ª Conferência Mundial, a ter lugar em Sidney de 19 a 24 de Setembro de 2014.



Todas as noites decoreram sessões recreativas com a apresentação de diferentes países, de colectividades locais ou das 2 associações escotistas italianas, a AGESCI e o CNGEI .

Monday, October 10, 2011

PORTUGAL NA PRESIDÊNCIA DA ISGF


Durante a Conferência Mundial da ISGF, que teve lugar de 26 de Setembro a 2 de Outubro, em Como, Itália, Midá Rodrigues foi eleita para integrar o Comité Mundial e imediatamente escolhida pelos seus pares para a Presidência daquele Orgão, que congrga e orienta, ao nível mundial, todas as associações de Escotismo Adulto.
Midá Rodrigues é Presidente da AAG, que com a FAEP e a FNA constituem o AEG - Comité de Antigos Escoteiros e Guias, através do qual está representado internacionalmente o Escotismo Adulto português.
PARABÉNS MIDÁ!

Wednesday, July 6, 2011

Núcleo de Setúbal - Comemorações dos 100 anos do Escotismo em Portugal





















No dia 18 de Junho, pelas 15:00 horas, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, em Setúbal, perante interessada assistência, constituída por membros da Fraternal dos Antigos Escoteiros de Portugal, da Associação dos Escoteiros de Portugal, da Fraternidade Nuno Alvares, do Corpo Nacional de Escutas, dos Desbravadores, e representantes de diversas entidades convidadas e, também população local, teve lugar a anunciada sessão comemorativa dos 100 anos do Escotismo em Portugal.


Presidiu à sessão, em representação da Câmara Municipal de Setúbal, o vereador sr. Carlos Rabaçal, também ele antigo escoteiro, tal como todos os seus filhos que são ou foram escoteiros na AEP ou no CNE. A abertura da sessão e a apresentação do orador estiveram a cargo do companheiro Paulino Lopes – coordenador do núcleo de Setúbal. O orador foi o companheiro Rui Macedo, Presidente do Conselho Director da FAEP, que de forma eloquente fez uma abordagem inicial ao nascimento do escotismo mundial, passando depois a historiar o início do escotismo em portugual, tendo feito algumas revelações surpreendentes sobre a ordem de fundação dos diversos grupos em território português.


Exposição sobre o Centenário do Escotismo Português (1911 – 2011)Ainda no dia 18 de Junho, pelas 16:30 horas, na Praça de Bocage, em Setúbal, foi inaugurada a exposição fotográfica sobre o Centenário do Escotismo Português. Esta exposição esteve patente num pavilhão gentilmente cedido pela Câmara Municipal de Setúbal, do dia 18 até dia 26 de Junho e destinou-se à divulgação do Escotismo junto da população Setubalense. Dela constavam cerca de 18 fotografias das mais antigas que o núcleo conseguiu recolher e que de uma forma simples tentaram retratar os primeiros tempos do escotismo em Portugal e mais concretamente em Setúbal.

Saturday, May 21, 2011

Novo Grupo da Associação dos Escoteiros de Portugal





Foi inaugurado no passado dia 14 de Maio mais um Grupo da AEP, o 242 de Corroios.

A Fraternal teve o ensejo de ter estado presente nas primeiras reuniões preparatórias para a formação deste grupo, tendo acompanhando também de perto o seu rápido percurso até á abertura.

Na cerimónia de inauguração o Presidente do Conselho Director, endereçou ao Grupo a seguinte mensagem:

"Caros Companheiros do 242

Sinto-me feliz por poder ter estado no início das diligências efectuadas para a abertura deste grupo de escoteiros.

Sente-se a Fraternal dos Escoteiros de Portugal, que eu aqui represento, também feliz pelo sentimento do dever cumprido. Faz parte da nossa Missão, entre outras, apoiar o Movimento Escotista, essencialmente através da AEP. E é muito gratificante ver o Movimento a crescer desta forma.

Sinto pelas vossas caras, tanto na dos mais novos como na dos dirigentes, que também estão felizes.

E a construção da felicidade é algo de muito importante para o Movimento escotista.

Contribuir para a educação cívica dos jovens, através da prática do escotismo, ajudando-os na execução de programas progressivos e atraentes, que visam a promoção da paz e a procura de um mundo melhor, criando assim a felicidade, é uma tarefa de todos: Dirigentes, pais e escoteiros adultos.

A AEP que se preza de ser uma associação para todos, aberta a todos os níveis sociais, a todas as raças e etnias e a todos os credos, assim como a Fraternal, que sendo actualmente autónoma, é oriunda da AEP e perfilha os mesmos princípios, não renega a essa tarefa educadora e da construção da felicidade.

Podem continuar a contar connosco como irmãos mais velhos, para vos ajudar com a nossa experiência de vida, para dar o nosso testemunho sobre virtudes do método escotista, para a divulgação do escotismo, em especial nas vossas reuniões de dirigentes e de pais.

Quero deixar-vos em nome da Fraternal uma pequena oferta.

É um pequeno livro, cuja 2.ª edição da iniciativa da Fraternal, já há muito esgotou.
Intitula-se “Fogo do Conselho”. Foi escrito por um antigo dirigente da AEP e Presidente da Fraternal.

Espero que ele sirva para vos ajudar a melhor conhecer a técnica do fogo de conselho, novas animações e novas canções, e contribua assim para a criação de mais momentos felizes.

A todos desejo os melhores votos de BOA-CAÇA e contém sempre com os velhos-lobos da Fraternal"

Núcleo de Setúbal - Comemorações dos 100 anos do Escotismo em Portugal



Dia 18 de Junho

10.00 h. - Visita ao Grupo n.º 206 – Setúbal / Bela Vista

10.30 h. - Homenagem a Baden-Powell e a todos os Dirigentes Escoteiros
Setúbal - Bela Vista – Monumento ao Escotismo

12.30 h. - Almoço de confraternização da FAEP
Local – Restaurante em Setúbal

15.00 h. - Palestra sobre o início do Escotismo em Portugal
Local – Salão Nobre dos Paços do Concelho.
Praça de Bocage em Setúbal
Actividade aberta a toda a população e que tem por objectivo dar a conhecer como o escotismo deu os seus primeiros passos em Portugal.

Exposição Fotográfica sobre o início do Escotismo em Portugal
18 a 25 de Junho – inauguração pelas 16:00 horas
Local – Praça de Bocage em Setúbal
Horário das 10:00 horas – 19:00 horas
Tem por objectivo fazer uma retrospectiva fotográfica sobre os primeiros anos do escotismo em Portugal e nomeadamente na cidade de Setúbal.

Saturday, April 30, 2011

O Conselho Nacional reuniu em 9 de Abril




Na Sede nacional teve lugar no dia 9 de Abril o Conselho Nacional da nossa Fraternal, que aprovou, por unanimidade, o Relatório e Contas do exercício de 2010, bem como o respectivo parecer do Conselho Fiscal e Jurisdicional.

No período antes da ordem de trabalhos, Victor Santos, em representação do Escoteiro Chefe Nacional da AEP, em deslocação ao Caramulo, local do ACNAC do Centenário do Escotismo em Portugal, fez uma clara e pormenorizada apresentação do projecto UMA NOVA ESTRATÉGIA PARA O FUTURO, aprovado na Conferência Nacional de 2010.


Iniciados os trabalhos, o presidente do CD comentou o Relatório sublinhando cada uma das diversas acções desenvolvidas. Noutra oportunidade, falou sobre o Plano de actividades para 2011, desafiando os companheiros a participarem e valorizarem os projectos que corporizam aquele Plano. Mariano Garcia deu alguns esclarecimentos sobre as Contas apresentadas e sobre o Orçamento para 2011. O presidente do CD referiu ainda a participação da FAEP no Acampamento do Centenário.



Usaram também da palavra os companheiros Paulo Cocco, presidente do Conselho Fiscal e Jurisdicional, Paulino Lopes, António Pacheco, António Brito, Sara Milreu, Horácio Paiva e José Gama.

Outro ponto importante da reunião foi a apresentação, por parte do CD, do projecto de alteração dos Estatutos. O companheiro Rui Macedo deu algumas explicações sobre as razões que levam à apresentação deste projecto, que já começou a ser distribuído por todos os associados para se pronunciarem sobre o mesmo e explicou o calendário para a sua análise, discussão e votação. Prevê-se que em Novembro próximo o novo Estatuto possa ser votado num Conselho Nacional convocado para este efeito.

Saturday, March 26, 2011

O CENTENÁRIO DO ESCOTISMO EM PORTUGAL

Durante o corrente ano celebra-se o CENTENÁRIO da chegada do Escotismo a Portugal.

O 1.º grupo de escoteiros [scouts] de que há registo em território nacional surgiu em 1911 em Macau, por iniciativa do então tenente Álvaro de Melo Machado, governador daquela colónia portuguesa.



Em 1912, existiam já váris grupos em Portugal Continental.

O 1.º grupo de "Boy Scouts" da União Cristã da Mocidade foi fundado em Lisboa em 1912, e sgundo dizia FranK Giles, seu fundador e primeiro chefe, logo nos primeiros tempos do seu grupo, que em Coimbra e no Porto também já existiam "scouts".

Trata-se de um acontecimento que não pode passar sem uma forte manifestação de júbilo por parte de todos os escoteiros, os mais jovens e os adultos, quer estes sejam dirigentes no activo, quer se encontrem filiados nas organizações de Escotismo Adulto, mas também todos aqueles que passaram alguma vez pelo movimento escoteiro, porque a todos nos envolve o mesmo sentimento de que valeu a pena termos desfrutado dos jogos e aventuras que o Escotismo nos proporcionou, ensinando-nos a ser homens mais responsáveis, cidadãos úteis e conscientes.

Cem anos de um Movimento que não envelhece, preservando todas as características do seu método educativo, inalterável nos seus valores intrínsecos, não obstantes as constantes actualizações dos programas que o suportam, constituindo caso único de longevidade perante todos os sistemas educativos alguma vez conhecidos em todo o mundo.

Sunday, March 13, 2011

CONSELHO NACIONAL


O Conselho Nacional da Fraternal dos Antigos Escoteiros de Portugal realiza-se no dia 9 de Abril de 2011, pelas 11.00 horas, na Sede Nacional, na Rua de S. Paulo, 254, 1.º andar, em Lisboa.

Se à hora marcada, não estiver presente, pelo menos, metade dos membros efectivos, a reunião terá início, meia hora mais tarde, em segunda convocatória, no mesmo local e com a presença de qualquer número de membros.

7.ª Conferência Europeia da AISG/ISGF

Reunindo mais de 350 participantes de 23 países da Região Europeia, assim como muitos observadores de países fora da Europa, realizou-se entre os dias 3 e 7 de Novembro a 7.ª Conferência Europeia da AISG/ISGF, que teve lugar, em Agia Napa, uma pequena cidade situada na costa Sul do lado Oriental da ilha de Chipre.

A reunião teve como lema “A Paz e a Amizade no seio da AIGF/ISGF”.

Sessão Plenária

Os Delegados Portugueses

A Delegação Portuguesa

O dia 4 de Novembro foi o primeiro dia dos trabalhos. Começou pelas 8.00 horas com uma reflexão a que se seguiram 4 ateliers sub-regionais, todos subordinados ao tema “A Europa Rumo ao Futuro”. O içar das bandeias, frente ao hotel deu-se pelas 10,40 horas, seguindo-se a Cerimónia Oficial de Abertura, onde o cipriota dr. Thermis Themistocleous proferiu uma palestra subordinada ao tema da Conferência.

No período da tarde a Presidente do Comité Europeu, Jane Wardropper, apresentou o seu relatório trienal, que foi aprovado. Foram tam-bém discutidas e aprovadas as contas do triénio, que apresentavam o parecer favorável do Comissário Gjermund Austvik, da Suécia.

Também neste período da manhã o Presidente do Comité Mundial, Brett Grant, dirigiu uma mensagem a todos os presentes.

Ponto importante da sessão foi a aprovação das alterações aos Estatutos da Região Europeia, de acordo com a proposta do Comité Regional, já submetida à apreciação da equipa jurídica do Comité Mundial. Dos Estatutos constam os seguintes capítulos: 1. Filiação; 2. Objectivos: 3. Fins; 4. Línguas; 5. Sub-Regiões; 6 Comité Regional Europeu; 7. Principais funções dos seus membros; 8. Duração do Mandato; 9. Reuniões e Votos, 10. Conferência da Região Europeia; 11 Finanças e 12. Alterações aos Estatutos.

Assim, o Comité Europeu continua a ser composto por quatro membros, um de cada sub-região, com substituição de dois a cada dois anos. Foram, por isso votados dois novos membros, ficando constituído o novo Comité para o período de 2010/2013, que se apresentou aos delegados no final da Conferência, com a seguinte composição:
Presidente – Olav Balle, da Noruega
Vice-Presidente – Hans Slanec, da Áustria
Tesoureiro – Photis Mammides, do Chipre
Secretária – Kathleen Diver, do Reino Unido

O Plenário aprovou também uma recomendação para o uso da língua alemã durante os próximos seis anos.

No dia 5, não houve sessão de trabalhos. O dia foi destinado a visitas e a activi
dades culturais, tendo começado com a visita de todos os participantes á capital, Nicósia, onde a Presidente do Município nos deu as boas vin-das, referindo-se com apreço à meritória obra do Escotismo.

Os participantes dividiram-se depois para seguirem circuitos diferentes: um virado para a arqueologia, outro mais focado para as igrejas bizantinas e um outro para as regiões vinícolas do Chipre.

No dia 6, seguiram-se as sessões de trabalho, primeiramente com reuniões sub-regionais e um atelier sobre a Paz. Neste, foi analisado o papel dos mídia (TV – rádio - imprensa) na propagação das iniciativas de Paz na Europa e no Mundo. Das várias intervenções, pode traduzir-se um pensamento comum: a Paz constrói-se dia a dia a partir de cada um de nós, dentro do nosso íntimo. da nossa casa, do nosso local de trabalho, do nosso clube, da nossa comunidade, etc. É obrigação de todos e de cada um trabalhar para a Paz, porque é preciso alcançá-la para o futuro do homem no mundo.

Ao fim da manhã e já em plenário, foram lidos os relatórios das sub-regiões.

A Presidente da WAGGGS Europa, Lara Tonner e o Presidente da OMMS Europa Craig Turpie, usaram também da palavra, tendo ambos evidenciando o interesse da AISGF/ISGF no suporte e ajuda às associações dos jovens.

Durante a tarde e em sessão plenária seguiram-se as apresentações de algumas associações nacionais. Portugal através de cada uma das suas associações, deu a conhecer o trabalho desenvolvido, tendo a secretária internacional da FAEP, Sara Rocha, feito a apresentação da nossa associação de escotismo adulto.

A Conferência terminou na manhã do dia 7 com uma cerimónia religiosa realizada na Igreja Ortodoxa de Agia Napa. A próxima conferência europeia será organizada pela Sub-Região Norte, e terá lugar na Noruega

A todos os participantes foi distribuída uma camisola e um lenço oficial, que os tornaram mais visíveis e os encorajaram a fazer novos amigos na população local.

Sunday, February 20, 2011

22 de Fevereiro - DIA DO FUNDADOR


O 22 de Fevereiro marca o aniversário do nascimento de Lord Baden-Powell, o fundador do Movimento Escotista. Por interessante coincidência, Baden-Powell (nascido em 1857) e sua esposa Olave Baden-Powell (nascida em 1889) faziam anos no mesmo dia.

Quase todas as Associações Escotistas Nacionais por todo o mundo, celebram esta data como “ O dia do Fundador”. Este dia é considerado como uma oportunidade para aprender mais sobre a vida de BP e de (re)ler a sua obra. Os seus escritos são uma fonte de inspiração para inúmeras pessoas e estão incrivelmente actuais nos nossos dias.

O 22 de Fevereiro é também celebrado pelas guias e escoteiras do mundo inteiro como “dia mundial do Pensamento”. É um dia para reflectir sobre o sentido do Guidismo e do Escotismo e acerca dos outros países e das outras culturas.

A Fraternal, não pode deixar de recomendar a todos os antigos escoteiros, assim como a todos os actuais escoteiros que dediquem [em especial naquele dia] alguns momentos à meditação sobre os ideais de fraternidade que o Movimento proporciona e fomenta, assim como o privilégio que para eles constitui a dádiva das vidas de BP e Olave BP e a inspiração que tiveram ao criar os Movimentos Escotista e Guidista, bem como o trabalho de tantos Escoteiros e Guias que deram continuidade à iniciativa do Fundador, o que permitiu que essas realidades chegassem até nós.

Eis algumas frases de BP, assim como a sua última mensagem.

FINALIDADE DO ESCOTISMO
“Toda a finalidade do Escotismo, é pegar no carácter do rapaz na fase em que o entusiasmo está aquecido ao rubro, forjá-lo devidamente e promover e desenvolver a sua individualidade – de modo a que o rapaz se eduque a si mesmo para se tornar homem recto e cidadão prestável para a sua pátria”
Escotismo para Rapazes

“ A nossa finalidade é educar a próxima geração como cidadãos úteis e senhores de vistas mais largas do que as gerações anteriores, e desenvolver assim a paz e a boa vontade por meio da camaradagem e da cooperação, em substituição de rivalidade prevalecente entre classes, religiões e países que tantas guerras e convulsões tem produzido”
Jamboree Out 1932

CARÁCTER
“Por carácter equilibrado entendo uma maneira de ser calma e imbuída de bom senso por parte do individuo, que lhe permita resistir ao pânico ou a deixar-se arrastar pelo espírito de rebanho e, pelo contrário, manter a cabeça no lugar e olhar em frente com coragem e optimismo apercebendo-se do que é melhor para a comunidade, e desta forma ajudar a conduzir a nação em segurança através do nevoeiro das ideias contrárias para a atmosfera límpida da paz e da prosperidade”
Mensagem dirigida o encontro de Comissários Regionais Adjuntos, para a divisão Clã - Jan. 1933

SERVIÇO
“ O serviço não é só para os tempos livres. O serviço deve ser uma atitude da vida, que encontra oportunidades para a sua aplicação prática em todos os momentos”
Velada de Caminheiros - cerca de 1927

“Por serviço quero dizer a submissão do egoísmo à vontade de ser útil aos outros, sem preocupação de retribuição ou recompensa”
Jamboree Janeiro 1927

“Diante de cada homem abrem-se dois caminhos:
O do egoísmo ou o do serviço.
O egoísmo é mais cómodo, o serviço envolve sacrifício.
Mas se se sacrifica para servir, pode estar certo de que a vida será para ele um bem muito real – cheia de felicidade.”
Caminho do Triunfo

FRATERNIDADE MUNDIAL
“O espírito é que conta. A nossa Lei e Promessa de Escoteiros, quando realmente as pomos em prática, afastam todas as ocasiões de guerras e lutas entre nações”
Escotismo para Rapazes

Peço-vos que façais uma escolha solene. Existem diferenças de pensar e de sentir entre os povos do mundo, tal como existem diferenças físicas e de língua. A guerra ensinou-nos que, se uma nação tentar impor a sua vontade particular às outras nações, uma cruel reacção seguir-se-á inevitavelmente”
Apelo de encerramento. Primeiro Jamboree Mundial Ag. 1920

ÚLTIMA MENSAGEM

Creio que Deus nos colocou neste mundo encantador para sermos felizes e apreciarmos a vida. A felicidade não vem da riqueza, nem simplesmente do êxito de uma carreira, nem dos prazeres. Um passo para a felicidade é serdes saudáveis e fortes enquanto sois rapazes, para poderdes ser úteis e gozar a vida quando fordes homens.

O estudo da natureza mostrar-vos-á as coisas belas e maravilhosas de que Deus encheu o mundo para vosso deleite. Contentai-vos com o que tendes e tirai dele o maior proveito que puderdes. Vede sempre o lado melhor das coisas e não o pior.

Mas o melhor meio para alcançar a felicidade é contribuir para a felicidade dos outros.

Procurai deixar o mundo um pouco melhor de que o encontrastes e quando vos chegar a vez de morrer, podeis morrer felizes sentindo que ao menos não desperdiçastes o tempo e fizestes todo o possível por praticar o bem. Estai preparados desta maneira para viver e morrer felizes – apegai-vos sempre à vossa promessa escotista – mesmo depois de já não serdes rapazes, e Deus vos ajude a proceder assim.

O Vosso Amigo
Baden-Powell of Gilwell

Sunday, February 13, 2011

PASSEIO PELA SERRA DA ARRÁBIDA


O Núcleo de Setúbal vai promover no dia 27 de Fevereiro um passeio pedestre pela Serra da Arrábida.

Caminharemos por alguns dos trilhos inseridos no Parque Natural da Arrábida, abrangendo áreas dos concelhos de Palmela e de Setúbal.

A originalidade da paisagem deve-se não só às suas características naturais mas também à conservação destes espaços, que de uma maneira geral se encontram em harmonia com o ambiente natural.

O ponto de partida é a Capela das Necessidades (onde se encontra a Cruz das Vendas, tendo estado ao rigor do tempo durante séculos, foi resguardada nos meados do sec.XVIII dentro desta ermida), continuando o nosso passeio por caminhos inseridos entre o Vale de Alcube e o Vale dos Picheleiros.


Caminhos encravados entre as diferentes elevações do Maciço da Arrábida, têm sido, ao longo dos tempos, lugar de instalação e exploração agrícola. Hoje a agricultura deu lugar a muitas habitações de lazer e o percurso serpenteia por entre quintas e bosques.

Do Moinho do Cuco percebe-se que o horizonte pode não ter limites e temos a sensação de ter a Arrábida na nossa mão. Ao fundo Lisboa e toda a Península de Setúbal aos nosso pés.

Cruzaremos terras onde se produz o vinho da região demarcada. Esta zona produz vinhos tintos encorpados, de cor intensa e aroma cheio a frutos secos e especiarias, a partir das castas Periquita. Nos vinhos brancos predomina a casta Fernão Pires, exibem aroma frutado.

Teremos a oportunidade de admirar as diferentes formas de vegetação, onde sobrevive o bosque com arbustos. Seguimos então por velhos caminhos de pastores, admirando um mundo de verde aos nosso pés, imortalizado nas palavras do poeta:

“Quando, de rosado, começa a arroxear-se o horizonte,
a Serra é um vulto de sombra parado a meio do silencio.
Pios de ave, como goteiras, pinguelingam de quando em quando e de onde a onde.
Damos então mais consciente notícia do grande silencio.”
(Sebastião da Gama)


Para o final da caminhada, reserva-se a visita à Quinta Velha, onde poderemos aprender como se produz o Queijo de Azeitão. A origem desta iguaria remonta a 1830, por mão de Henrique Gaspar de Paiva que vem da Serra da Estrela, trazendo ovelhas e partilhando os seus ensinamentos com as gentes da vila e do povoado vizinho, que foi transmitindo a sucessivas gerações de queijeiros-artesãos e que deram qualidade e fama ao tão apreciado queijo. Este é produzido a partir de leite de ovelha cru, ao qual apenas se junta cardo (para a coagulação) e sal. A cura é efectuada num período mínimo de 20 dias, sendo os queijos diariamente virados e lavados, para que a crosta se mantenha lisa e limpa.


“Não deixar mais que pegadas e não tirar mais do que fotografias”!

Local de encontro: Vila Nogueira de Azeitão (Rossio/Largo) pelas 9.00H.
Duração: percurso fácil +/- 6Km
Levar: Comida para a manhã, água, chapéu de sol (ou de chuva), impermeavel, roupa e calçado confortavel, polar.

A visita á quinta começará pelas 12.00H.
Custo: 3€ para o atelier de confecção do queijo de azeitaão (colocar a mão na massa [do queijo]).

A caminhada ficará adiada se a previsão do tempo for de muita chuva. O percurso merece ser efectuado com boas condições metereológicas, porque as vistas são magnificas.

A confirmação da realização será feita directamente para todos os inscritos no dia 24 de Fevereiro.

Inscrições (importante para se verificar o número de pessoas no atelier) para o e-mail: faep.setubal@gmail.com

Sunday, January 30, 2011

ACAMPAMENTO DO CENTENÁRIO


No presente ano começamos a viver os CEM ANOS da chegada do Escotismo a terra portuguesa. O Conselho Director iniciou já com a Chefia Nacional da AEP um compromisso comum de dar a tal acontecimento a maior visibilidade possível, levando a efeito um programa de actividades que importa revestir de grande dignidade. Para tanto, são indispensáveis as colaborações e apoios de todos quantos, sócios ou não da FAEP possam trazer uma mais-valia a tal projecto. Pertence a cada um de nós responder presente e, olhar em volta, para trazer consigo colaborações especializadas, sempre bem-vindas ao nosso meio.

É já um ponto fixo do programa das comemorações o Acampamento Nacional da AEP, a realizar de 1 a 7 de Agosto na Serra do Caramulo, para o qual a FAEP foi já convidada a participar. Esta nossa participação tem de ser estudada atempadamente, pois gostaríamos de fazer desta actividade o nosso próprio Encontro do Escotismo Adulto, com organização de actividades paralelas para aqueles que alguma vez foram escoteiros e desejem reviver por alguns dias o tempo da sua inesquecível aventura juvenil – um acampamento escotista.

Também gostaríamos de ter companheiros disponíveis para colaborar nos serviços do acampamento ou no stand e atelier que ali desejamos levar a efeito.

Há pois muito trabalho pela nossa frente no ano do CENTENÁRIO DO ESCOTISMO em Portugal.


Visitem o site relativo ao Acampamento Nacional, www.escoteiros.pt/acnac e informem-nos do vosso interesse em participar ou em visitar esta actividade.

faep.nacional@gmail.com

Dá a Cara


Projecto Eu Dou a Cara promovido pelo Conselho Nacional da Juventude e pela Campanha Pobreza Zero

O Projecto EU DOU A CARA, impulsionado pelo Conselho Nacional da Juventude e a Campanha Pobreza Zero, alicerça-se nas novas tecnologias, meio privilegiado de acesso a um conjunto alargado e diversificado de pessoas, ultrapassando barreiras físicas. Ele apela a cidadãos e a cidadãs de qualquer parte do globo, a Darem a Cara contra a Pobreza, pelo cumprimento dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio, pelos Direitos Humanos.

Através deste gesto, ao não hesitarem em tornar público o seu compromisso para com esta causa e ao envolverem-se neste projecto, as pessoas não só mostram estar bem cientes de que o fenómeno da pobreza afecta diariamente, em todo o mundo e também em Portugal, as vidas de milhares de pessoas, como dão o sinal claro de que não ficam indiferentes perante tal facto e que importa informar, sensibilizar, capacitar, mobilizar, pressionar, AGIR.

O Conselho Nacional da Juventude e a Campanha Pobreza Zero procuraram que a adesão a esta campanha seja fácil, bastando apenas para a ela se associar enviar uma foto (obrigatório), o nome e o contacto e-mail (facultativo), através do site http://www.eudouacara.org/

No caso das organizações/instituições, basta mandar o logo da mesma e deixar um contacto. Para além do mais, as pessoas e as organizações também podem, caso assim o desejem, deixar uma mensagem, um testemunho, sugestões. O site EU DOU A CARA assume-se assim como um lugar de encontro e de partilha entre "agentes contra a Pobreza e Exclusão Social".

O site do projecto EU DOU a CARA quer-se dinâmico e os seus conteúdos construídos e actualizados mediante as sugestões quer dos parceiros quer das pessoas que a esta causa se juntarem, por forma a que ele resulte.

Por isso não hesites e Dá a Cara!

Sunday, January 9, 2011

A FRATERNAL solicita que o Lince (conversor para a nova ortografia) considere a palavra "escoteiro"


O anterior acordo ortográfico, implementado durante os anos 50, contemplou os neologismos "escuteiro" e "escutismo" em substituição dos tradicionais vocábulos "escoteiro" e "escotismo", já de há muito existentes na língua portuguesa (Cândido de Figueiredo e anteriores), para definir (apenas em Portugal) o praticante do movimento juvenil lançado no mundo por Robert Baden-Powell - o conhecido Scouting.

É sabido que o Brasil não aceitou o uso de tais neologismos, continuando a fazer uso das expressões tradicionais referidas. A mesma recusa mantiveram em Portugal os dirigentes, os associados e os simpatizantes da mais antiga das associações escotistas, bem como alguns cultores da linguagem tradicional, ainda que sujeitos à despropositada referência da existência de erro ortográfico.

Perante o novo acordo, que serve essencialmente os propósitos da ortografia brasileira, parece não fazer sentido que tudo se mantenha como anteriormente sem admitir, pelo menos, considerar como correctos os quatro vocábulos indicados, uma vez que é forçoso aceitar a forma de escrever no Brasil.

Estranhamente, esta situação parece ter passado despercebida, ou não terá sido estudada, pelos "fabricantes" do novo acordo que, depois de grande esforço na modificação complexa de palavras que há centenas de anos se escreviam de modo diferente, permitem continuar a dicotomia que atrás se assinala, a qual nem sequer ganhou ainda fortes raízes em Portugal, embora aceite e utilizada por dirigentes e associados da associação diferente da que antes foi referida.

Depois do que fica dito, venho solicitar que o LINCE, como novo instrumento da língua portuguesa, considere como válida a existência dos quatro vocábulos antes referidos, deixando assim que cada um a utilize, aqui, no Brasil, em Angola ou em qualquer outro país lusófono, sem que exista a desagradável referência de erro ortográfico, dando com isso completa satisfação a várias centenas de milhares de pessoas que nestes países escrevem com frequência tais vocábulos. Terminaria com isso, igualmente, uma velha discussão de sessenta anos, provocada por decisão unilateral e persecutória do regime do Estado Novo.

Fico muito grato pela atenção de V.Exªs. e apresento os meus melhores cumprimentos.

Mariano Garcia
Secretário do Conselho Director da FAEP

Escrever escoteiro não é erro nem ignorância

Por Mariano Garcia


O Companheiro Mariano Garcia ao centro na imagem

Passado mais de um século sobre o aparecimento do Scouting em Inglaterra e prestes a comemorarmos 100 anos da sua introdução em Portugal (1911), as duas Associações dedicadas ao Movimento vão vivendo lado a lado, distintas nas suas orientações e programas, mas unidas pela força do Método e Princípios que as inspiram, numa prática indiscutivelmente válida, ao serviço da formação individual, cívica e social dos nossos jovens, a quem ensinam deveres para com o próximo, a sociedade e para consigo próprios.

Se abstrairmos o proselitismo de uma delas, exclusivamente reservada aos membros da Igreja Católica, onde constitui a verdadeira força juvenil, podemos afirmar que ambas as Associações cumprem bem o seu papel de pioneiras na formação e educação cívica da nossa juventude, juntando-se as suas unidades em frequentes actividades, quer sejam de preparação ou lazer, quer sejam de serviço público ou social, onde bastas vezes dão exemplos de compostura, ou mesmo de abnegação e coragem.

Por tudo isso um “velho escoteiro” se pode orgulhar, achando sempre poucos os muitos milhares de escoteiros que alegremente se associam e confraternizam em Grupos e Agrupamentos por todo o nosso País, dando, quase sempre, exemplos de conduta pessoal e de cidadania, merecedores da simpatia com que geralmente são acolhidos por onde passam, sempre garbosos e prestáveis ao seu semelhante. Se mais fossem, talvez o seu exemplo conseguisse transmitir melhor os valores do Movimento à sua geração, tão revoltada e descrente das suas próprias capacidades.

Para tanto, o Movimento de BP teria de ser melhor entendido pelo cidadão, em geral, e pelas instituições, em particular.

Mas, para que esse entendimento se verifique é preciso que nos esforcemos em clarificar as nossas posições e esclarecer o porquê de algumas diferenças, as quais deveremos esbater, ou assumir com a convicção de quem serve a verdade e a unidade dos nossos Princípios.

Tema recorrente, causador de confusões e dúvidas é a dupla grafia da palavra escoteiro ou escuteiro.

De tão antiga esta discussão, talvez ela nem merecesse mais referência, não fora a absoluta ignorância nesta matéria que sempre revelam os jornalistas portugueses, ou o excessivo número de emendas nos meus escritos, como se o facto de uma palavra genuinamente portuguesa, pois faz parte do léxico português desde o século XVI (aquele que viaja sem arma e sem bagagem), virar erro gramatical só por ter deixado de aparecer nos dicionários da nossa língua, a partir do Acordo Ortográfico Luso-Brasileiro. Não obstante os brasileiros manterem-na válida e bem esclarecida, outro tanto não aconteceu em Portugal, por razões que nunca consegui perceber, já que é bem comum na nossa língua o uso de palavras diferentes que significam o mesmo.

Claro que a abordagem do tema remete-nos, quase sempre, para a teorização desta dicotomia, por vezes de forma menos precisa ou isenta de imparcialidade.

Por isso, dispenso-me aqui de qualquer dissertação sobre as razões que estão na génese dessa alteração da língua portuguesa, nem da decisão política que a justificou.

O que está feito, está feito, a menos que um dia possa ser corrigido. Mas, importa clarificar, de modo a que ninguém, preso da sua ignorância, chame de ignorante os outros ou “corrija” o que não desejamos seja “corrigido”.

a)Em 1913, nasceu a Associação dos Escoteiros de Portu-gal (AEP), assim chamada logo após um grupo de pessoas ligadas à cultura, entre os quais os ilustres filólogos António Sá Oliveira e Eduardo Moreira, terem procurado no léxico português a palavra que melhor traduzisse a expressão inglesa “scout”, usada até então.
b)Em 1924, surge o Corpo Nacional de “Scouts”(CNS), que em Novembro de 1934 passou a chamar-se Corpo Nacional de Escutas (CNE), nome que continua a identificar aquela Associação.
c)Os membros da AEP desde sempre foram conhecidos por escoteiros.
d)Os membros do CNE, inicialmente tratados por “scouts”, cedo começaram a ser conhecidos por escutas, designação que hoje prevalece de mistura, desde os anos cinquenta, com a palavra escuteiro, cuja raiz parece vir apenas da própria palavra escuta.


Conclusão: fiquemos, cada um, com a designação que escolheu para si, num direito inalienável que nos dá a nossa democracia, mas que ninguém se arrogue ao direito de “corrigir” ou apontar de errado o que está certo.
E que a fraternidade do nosso Movimento nos una em tudo o mais que orienta o nosso IDEAL.